Publicado por: Viajante da Imensidao | fevereiro 28, 2009

A Paz Reinará

“Não haverá um futuro
Se as crianças de hoje não aprenderem a amar
Pra mudar o mundo é preciso
Mais do que um simples sorriso
É preciso amar!”
(Dalvimar Gallo e Adelso Freire)

queremos-paz

Muitas vezes fico a observar guerras e revoltas que acontecem no mundo, pessoas agredindo outras com enorme violência, a maldade se alastrando rapidamente e não consigo pensar numa razão para as pessoas agirem desse modo ou talvez eu ainda não tenha entendido ou sentido esse ódio que invade o coração e faz as pessoas cometerem tais atrocidades. Acho que não existe nenhuma justificativa decente, qualquer que seja, que aprove o motivo dessa violência. Não é com sentimentos de maldade que devemos tratar uma pessoa, mesmo que ela tenha cometido coisas erradas, quem somos nós pra fazermos justiça com as próprias mãos? Quem é que não fica indignado com certas barbáries que acontecem no mundo? Mas não é agindo do mesmo modo que vamos conseguir solucionar o problema, se começarmos a pagar o mal com o mal, onde vamos parar com tanta maldade? São esses tipos de perguntas que sempre surgem e imagino como podemos resolver ou amenizar esses casos. Talvez devêssemos começar ensinando nossas crianças para que num futuro próximo, as pessoas tenha uma educação com base sólida e saibam agir de modo pacífico diante de uma situação crítica. Se começarmos a educá-las com mais amor, ensinado a respeitar o próximo, a aprender perdoar e a andar sempre no caminho correto mesmo que em certos momentos isso pareça impossível, acredito que haverá mais paz. E no momento em que tudo parece impossível, ensinar que há um Deus que pode nos ajudar a enfrentar os problemas, e se buscarmos a Ele, terão sempre sua presença nos fortalecendo e nos guiando. Muito se fala em Deus hoje, mas pouco se faz para seguir seus conselhos e sua vontade, é comum as pessoas saírem de um culto ou uma missa e  já começarem a agir de forma incorreta. Mesmo que participemos de um templo religioso é preciso trazer a presença de Deus para o nosso cotidiano, ter Jesus em nossos corações e com isso certamente bons sentimentos invadirá nossa alma e teremos muito mais paz. Se você não acredita em Deus, acredite pelo menos em fazer o bem e trabalhar para que isso seja repassado a todos ao seu redor. Acreditar que podemos mudar é o primeiro passo, certa vez conversando com uma pessoa mais idosa ela me disse, “quando eu era jovem queria mudar o mundo e agora percebo que sou apenas uma partícula nesse mundo, o que eu poderia fazer?”, eu não a julguei e nem retruquei com ela, porque ela deve ter seus motivos para ter essa opinião, mas pensei que se uma pequena partícula dessas deixar de fazer o mal, o oceano de maldade já será menor. Acredito que se fizermos sempre o bem e procurar ensinar essas boas ações aos nossos amigos e familiares, teremos um futuro melhor e esperança de que um dia a paz reinará.

Os versos no início foram retirados de uma música da banda Anjos de Resgate, para ouvi-la é só clicar no link abaixo.

Anjos de Resgate – A Paz Reinará

Publicado por: Viajante da Imensidao | janeiro 20, 2009

Férias no Campo

Abriu os olhos e viu pelo reflexo na janela que ainda estava escuro, mas já ouvia conversas vinda da pequena varanda. Estendeu o braço até o criado mudo ao lado da cama, pegou o celular e olhou as horas, ainda eram 04:50 da manhã, pelo jeito o pessoal não tinha perdido o costume de levantar de madrugada. Keli estava tão acostumada com o ritmo frenético da cidade que esquecera dos costumes dali, quando pegou alguns dias de férias a primeira coisa que fez foi viajar para o sítio dos seus pais para matar a saudade imensa. Agora estava ali deitada relembrando toda história que passara naquele lugar e decidiu levantar para participar do bate papo matinal. Quando chegou na varanda recebeu um belo “bom dia” de todos e reparou que a mesa estava farta de gostosuras caseiras, já começou achar uma boa idéia acordar de madrugada. Apesar desse alegre bate papo ocorrer todo dia, nunca acabavam os assuntos e depois de uma boa conversa todos começaram a sair e preparar para  começar os trabalhos diários. Keli ajudou a mãe a tirar a mesa, ajudou com as louças, depois encontrou um álbum e ficou olhando algumas fotografias antigas. Ouviu um barulho e foi ver quem estava chegando, logo lembrou que havia combinado com sua prima Claudinha pra um passeio a cavalo e ela chegou com tudo pronto pra cavalgar.

– Garanto que você tinha esquecido do passeio – disse Claudinha.

– Que nada, estava só te esperando pra ver se ia cumprir com a palavra – inventou Keli, sorrindo.

– Sei – disse Claudinha, entregando o outro cavalo à Keli.

keli_claudinha

Keli montou na sela meio desajeitada, precisava se acostumar de novo com aquilo e começaram a cavalgar. Visitou velhos conhecidos, o local que servia para comemoração de festas feitas pela comunidade, o riacho onde já havia banhado e brincado muito, o velho e grande pé de árvore com aquela antiga casinha em cima que o pai havia feito pra elas e ficou maravilhada como tudo estava tão conservado. Claudinha apressou Keli, pois estava na hora do almoço e este era pontual, quando chegaram tudo já estava pronto e o pessoal estavam chegando, até parecia que tinha tocado um sinal pro almoço. Dificilmente alguém almoçava separado e era outra festa, todo mundo alegre e na mesa mais gostosuras regionais, Keli começou a ver que iria voltar com uns quilinhos extras. Depois do almoço ela deitou um pouco, quando acordou percebeu uma movimentação na casa, estavam fazendo preparativos pra uma festa.

almoco_keli

– Claudinha o que é isso? É festa pra mim? – perguntou Keli, com um tom sarcástico.

– Essa ainda não – disse Claudinha, sorrindo – é festa de aniversário do Flávio, o filho do vizinho da esquerda.

E Keli ficou muito animada, como sempre em qualquer festa reunia todo o pessoal da comunidade e na certa ia ter muitas brincadeiras. Ajudou mais um pouco no que sabia fazer, depois afastou-se foi até umas arquibancadas improvisada de um campinho de futebol do sítio e sentou, ficou ali contemplando aquele lindo pôr-do-sol e imaginado como aquele lugar era simples e as pessoas pareciam ter a fonte da felicidade ao contrário dos lugares requintados e “frios” que costumava frequentar no dia-a-dia. Simplicidade e muita alegria foi o que ela sentiu nesses ótimos dias de férias.

por-do-sol

Publicado por: Viajante da Imensidao | janeiro 12, 2009

Nuvens Negras

Coisas imprevisíveis acontecem com grande frequência e as vezes são coisas que nunca, nem em sonho pensamos que pudessem acontecer. Estou sob um clima pesado de acontecimentos tristes (muito triste pra mim), fato que não gostaria que acontecesse a ninguém nesse mundo. Tão inesperado, é como se uma bomba-relógio estivesse ali a muito tempo contando os segundos regressivamente e de repente explodisse lhe causando uma grande surpresa e destruindo toda sua base de sustentação. Fico horas pensando, ainda anestesiado pelo “choque” e tudo isso parece irreal, a cabeça fica pesada e começa a doer. As pessoas conversam, mudam de assuntos e até contam piadas tentando “apagar” o que aconteceu, eu até dou algumas risadinhas, mas o meu coração se recusa a aceitar o que a minha face expressa e ele permanece triste e amargurado. Nesse momento imagino milhões de coisas, mas o que mais peço é forças a Deus para que eu possa suportar todas consequências e que Ele guie a mim e a todos que estão sofrendo com o caso. Admito que nunca fui muito de me sentir afetado pelos problemas da vida, mas esse problema me abalou extremamente (esse é o maior teste que já enfrentei). Nuvens negras pairam sobre minha vida, mas como todas nuvens são passageiras creio que estás também vão passar e vai surgir um grande raio de esperança no horizonte. Dizem que o tempo é dono de todas soluções, espero que aconteça algo parecido com o que diz a música “Amanhã” do Guilherme Arantes.

Amanhã – Guilherme Arantes

Publicado por: Viajante da Imensidao | janeiro 6, 2009

Vamos Viver Hoje

Não Sei


cora-coralina1

Não sei … se a vida é curta
ou longa demais pra nós,
Mas sei que nada do que vivemos tem sentido,
se não tocamos o coração das pessoas.

Muitas vezes basta ser:
Colo que acolhe,
Braço que envolve,
Palavra que conforta,
Silêncio que respeita.

Alegria que contagia,
Lágrima que corre,
Olhar que acaricia,
Desejo que sacia,
Amor que promove.

E isso não é coisa de outro mundo,
é o que dá sentido à vida.
É o que faz com que ela
não seja curta,nem longa demais
Mas que seja intensa
Verdadeira, pura …
Enquanto durar

Cora Coralina

.

viajante_cora-coralina


Realmente não sabemos se a vida será longa ou curta, mas isso não importa desde que saibamos fazer cada momento valer a pena. O que é a vida senão o presente momento em que estamos agora, faça planos, sonhe, mas não viva somente em função do futuro, aprenda a viver o presente.

Como é bom o aconchego de um abraço, a reflexão de bons conselhos ou apenas a presença de alguém que te faça entrar em uma sintonia perfeita com a vida. As pessoas se tornaram frias e parecem terem ausência de sentimentos, todo mundo está muito ocupado para parar e viver um pouco. É tanta ganância e individualismo que deixaram de acreditar no amor, isso agora é apenas coisas de livros e filmes, dizem ter amigos, mas geralmente se trata de uma amizade interesseira, somente de aparências. Passam pela vida como robôs controlados por um mundo globalizado, competindo sempre apenas para obter riquezas e poder. E para que isso se nem sequer possuem vida própria??

Como disse, preocupar com o futuro é importante, mas não esqueça de viver o presente que é o mais importante no momento. Comece dizendo um bom dia cheio de energia, abrace as pessoas mais queridas no seu dia-a-dia, aconselhe quem precisa de uma palavra amiga, ouça quem lhe dá os conselhos, aprenda a respeitar o espaço das outras pessoas. Seja alegre, demonstre sempre um sorriso no rosto, ame mais, respeite o sentimento alheio. Não importa se seja curta ou longa, enquanto durar, faça da sua vida momentos de grande aprendizado, emoção, risos, uma vida que deixará saudades e grandes exemplos. Viva intensamente.

Publicado por: Viajante da Imensidao | dezembro 28, 2008

Adeus 2008…

Chegando mais um final de ano e é hora de fazermos a famosa retrospectiva do ano que se passou. Relembrar os melhores e os piores momentos de 2008 e como sempre a mídia apresenta uma série de vídeos e documentários. Entre os piores momentos estão assassinatos, fome, guerra, crise financeira, corrupção, tragédias da natureza e entre os melhores momentos encontramos vitórias em competições esportivas, vida dos famosos, ganho de poder político, tecnologia em alta. Todo ano a semelhança dos acontecimentos são os mesmos e o que vemos é que nada é feito para resolver os piores acontecimentos, a não ser que tenha um interesse pessoal para aumentar o poder ou ganhar popularidade, e assim entra ano e sai ano e o jogo de poder e corrupção ainda se sobressai. Infelizmente as pessoas ainda são muito induzidas pela mídia, as vezes isso se torna algo bom (doações para o caos das enchentes), mas é triste ver pessoas sem determinações próprias. Falta um pouco mais de cobrança de nossos líderes governamentais, pois os piores momentos podem ser facilmente resolvidos (ou amenizados) com um maior empenho na administração pública.

A mudança acontece começando por cada um de nós, é o momento de pararmos e fazermos uma retrospectiva de nossa vida pessoal. Pensar no que melhoramos e em que ainda podemos melhorar, no que fizemos para contribuir para um futuro melhor tanto meu quanto das pessoas as quais convivo. Cuide melhor da sua saúde, você vai precisar dela para continuar com seu sucesso; administre melhor suas finanças, com isso você não fica perdido e evita mergulhar em dívidas; participe de algum projeto voluntariado, é algo extremamente gratificante (experimente); aprenda e ensine através das conversas com as pessoas, isso te traz maior experiência de vida; ame sua família, através dela temos base de conforto e apoio para nossas conquistas; perdoe mais, isso evita você de guardar rancor no coração e tornar uma pessoa amarga; leia mais, vai lhe trazer crescimento intelectual e cultural; admire mais a beleza da natureza, você vai se surpreender com a perfeição; sorria sempre e seja uma pessoa bastante ativa, isso dá força de vontade e estímulo a outras pessoas. Enfim resumindo tudo o que acabei de citar é levar uma vida digna, consciente e alegre.

Agora é só agradecer a Deus pelo ano que passou e que 2009 seja de muitas realizações para todos nós, sempre lembrando que um futuro melhor depende primeiramente de nós. Que a paz reine, que a alegria invada nossos lares, que a felicidade habite em nosso interior, que a solidariedade se apresente através de nossas ações, que a saúde esteja sempre presente, que o sucesso nunca falte e que tenhamos forças para enfrentar as dificuldades. Adeus 2008.


Nunca é tarde pra recomeçar, como dizia Chico Xavier: “Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim”.


“Quem for feliz, torne também felizes os outros. Quem tem coragem e fé nunca perecerá na miséria.”  Anne Frank

Um próspero 2009 e boas festas a todos!!!



Publicado por: Viajante da Imensidao | novembro 30, 2008

Agradecendo ao Pai

Hoje eu quero apenas agradecer a ti meu Deus

Agradecer pela dádiva maravilhosa que é a vida

Agradecer por mais este lindo e perfeito dia

Agradecer pela felicidade de sentir a tua presença

Agradecer por estar sempre guiando meus passos

Agradecer por apesar dos momentos difíceis, me fazer enxergar as maravilhas da vida

Agradecer pela plena paz que tem colocado em minh’alma

Agradecer pelos grandes momentos de alegria que tem me dado

Agradecer também pelos momentos de tristezas, pois estes têm me feito parar, refletir e aprender mais sobre a vida

Agradecer pelas bênçãos lançadas a todas as pessoas ao meu redor

Agradecer pela força que me deste e pelo teu grande amor

Agradecer pela família e amigos que são minha base de sustentação

Agradecer pelas belas canções que nos tem dado e que nos faz meditar mais em ti

Agradecer por ter Jesus em meu coração me fazendo triunfar sempre

Agradecer pelo teu perdão nos momentos de erros e fraquezas, pois grande é teu amor por todos nós

Agradecer por reinar sobre mim e todos aqueles que buscam te agradar

Que o teu entendimento flua em minha vida me fazendo perceber o teu querer e que este pedido se estenda a todas as pessoas que desejam receber teu grande amor.

Obrigada Pai por esta oportunidade!!!

Hillsong – Desert Song

Publicado por: Viajante da Imensidao | outubro 19, 2008

Keli Viajando a Trabalho

Naquele dia quando o chefe a chamou e disse que tinha uma viagem para ela fazer a outro estado, Keli não ficou muito contente não, mas aceitou a proposta. Ela viaja pouco, mas ultimamente o chefe a tinha solicitado muito para atender clientes em outras cidades, disse que era devido ao bom desempenho dela nos últimos trabalhos, mas enquanto era no próprio estado ela se sentia em casa, agora estava partindo para uma “terra desconhecida”. Decidiu que iria de ônibus mesmo, gostava de aproveitar essas viagens para ver a paisagem e fotografar tudo. Assim preparou tudo pra partir logo no fim de semana, já que por meio terrestre demoraria um pouco mais para chegar ao seu destino, pegou alguns livros pra se distrair nas horas vagas durante a viagem. Chegou o grande dia, de manhazinha ao sair da rodoviária ficou apenas observando desaparecer aos poucos Paula acenando pra ela, Paula havia insistido em levá-la até a rodoviária e sentiu se feliz por ter uma amiga tão atenciosa. Pouco depois já estava na rodovia, verificou se o planejamento de trabalho estava tudo em ordem e relaxou, ficou só observando as paisagens que iam passando pela janela.

Já estava anoitecendo quando chegou ao seu destino, era uma pequena cidadezinha, foi até um segurança e se informou onde poderia encontrar um hotel. Logo estava hospedada em um hotel simples, mas bem limpo e tinha uma recepção adorável, a caminho do hotel ela havia visto uma pracinha que parecia bem divertida e decidiu comer alguma coisa lá. Foi até um dos trailers fez o seu pedido, sentou e ficou observando as crianças brincando no parquinho e as pessoas pareciam alegres, a muito tempo ela não via isso, morava em uma cidade grande onde tudo parecia ser só correria. Estava acabando de lanchar quando viu duas jovens vindo em sua direção, ao aproximar disseram:

– Boa noite – disse a morena de cabelos encaracolados.

– Boa noite – disse Keli, meio desconfiada.

– Você é nova por aqui ou está só de passagem?– falou a outra, uma loira de cabelos curtos.

– Só a trabalho – respondeu Keli, sendo bem ríspida e pensando o quanto aquele pessoal era xereta.

– Desculpe não ter nos apresentado – disse a morena – eu sou a Daniele e essa é a Amanda – apontando para a loira.

– Prazer em conhecê-las, meu nome é Keli – disse Keli.

– Nós estávamos te observando – apontando para uma quadra de vôlei, onde tinha mais algumas pessoas olhando pra ela – e já que está faltando uma pessoa no time, resolvemos te convidar – disse a Amanda.

Keli ainda não se sentindo muito a vontade disse que não sabia jogar vôlei, mas as garotas insistiram e ela acabou indo, chegando à quadra conheceu mais algumas pessoas e começaram o jogo. Keli até que se saiu bem, só cansou um pouco, também havia se tornado muito sedentária. Conversaram um pouco, ela disse que estava a trabalho e que estava hospedada em um hotel, que iria embora no outro dia à tarde, logo depois da reunião com o seu cliente. Estava ficando tarde e resolveram ir embora, Amanda convidou todos pra almoçarem em sua casa no outro dia e que keli não poderia faltar, Daniele e outras pessoas foram com Keli até o hotel, já que era caminho pra suas casas.

Acordou um pouco cedo, pois queria fotografar um pouco a cidade, pediu o café da manhã e ao entregarem recebeu uma encomenda que haviam deixado pra ela no hotel. Era uma caixinha embalada para presente, onde estava escrito: “De: Douglas ; Para: a bela Keli”, ela lembrou que ele não tirava os olhos dela no dia anterior, mas nem correspondeu devido à euforia em que se encontrava, ela ficou mais entusiasmada quando abriu e encontrou um lindo cartão florido e bombons de cereja que ela amava. No cartão ele pedia desculpas por não poder comparecer ao almoço e disse que tinha achado ela muito bonita e interessante e que gostaria de encontrá-la em um outro momento se possível, deixou o telefone e um “me liga, por favor”. Quando saiu pra fotografar, não pensava em outra coisa, aquela ação de Douglas não lhe saia da cabeça, como ele sabia que ela gostava de bombons de cereja? Foi ai que ela lembrou que havia dito ligeiramente no dia anterior sobre a preferência. Chegou à hora do almoço, Daniele passou no hotel para acompanhar Keli até a casa da Amanda, no caminho Keli já fez algumas perguntas discretamente sobre Douglas para a Daniele e ficou sabendo que no trabalho dele, ele também viaja sempre e que foi viajar hoje e só iria voltar dentro de uns três dias. O almoço foi ótimo, muita alegria apesar de ser por tempo limitado, já que a maioria estava no horário de almoço dos seus trabalhos, muitos já se despediram de Keli e trocaram telefone. No final só ficou Keli e Amanda, a sua reunião era as 14:00 horas e logo depois ela já iria embora, ajudou Amanda com as louças e voltou para o hotel. Foi até seu cliente, à reunião deu tudo certo e ela até conseguiu alguma vantagem para a sua empresa, o chefe iria elogiá-la novamente, e ela sempre agradecia a Deus por estar sempre abençoando os seus projetos.

Pagou o hotel e se dirigiu para a rodoviária, a Amanda já estava lá esperando ela, comprou a passagem e ficaram aguardando o ônibus que deveria demorar uns 40 minutos. Keli fez mais algumas perguntas sobre Douglas e Amanda até percebeu o interesse dela, mas não fez nem uma pergunta direta. Chegou o ônibus e as duas se despediram e prometeram se encontrar outras vezes (o que era meio difícil, devido à distância). No ônibus de volta pra casa, Keli pensou como saiu de casa achando estar viajando para uma “terra desconhecida”, e acabou fazendo amigos e quem sabe até um pretendente para ocupar o seu coração (que por sinal já estava invadindo sem pedir licença). Agora pensou até em mudar para uma cidade do interior, talvez esquecesse um pouco a correria do dia-a-dia e se relacionasse melhor com as pessoas, ou talvez não fosse o lugar físico que devêssemos mudar, mas sim o nosso interior??

Publicado por: Viajante da Imensidao | outubro 11, 2008

As Brigas que Perdi

Pouco adiantou
Acender cigarro
Falar palavrão
Perder a razão

Eu quis ser eu mesmo
Eu quis ser alguém
Mas sou como os outros
Que não são ninguém

Acho que eu fico mesmo diferente
Quando eu falo tudo o que penso realmente
Mostro a todo mundo que eu não sei quem sou
Eu uso as palavras de um perdedor

As brigas que ganhei
Nem um troféu
Como lembrança
Pra casa eu levei

As brigas que perdi
Estas sim
Eu nunca esqueci
Eu nunca esqueci

Pouco adiantou
Acender cigarro
Falar palavrão
Perder a razão

Eu quis ser eu mesmo
Eu quis ser alguém
Mas sou como os outros
Que não são ninguém

Acho que eu fico mesmo diferente
Quando eu falo tudo o que penso realmente
Mostro a todo mundo que eu não sei quem sou
Eu uso as palavras de um perdedor

As brigas que ganhei
Nem um troféu
Como lembrança
Pra casa eu levei

As brigas que perdi
Estas sim
Eu nunca esqueci
Eu nunca esqueci

(Composição: John/Fernanda Takai)

Muitas vezes as brigas são mesmo inevitáveis, são aquele momento em que a gente fala tudo o que vem na mente, sem se importar com as conseqüências. Logo depois bate aquele arrependimento, mas para não “dar o braço a torcer” não pedimos desculpas e isso acaba refletindo por muito tempo em nossa vida. O que era um pequeno problema acaba se tornando grandes intrigas, diante de uma briga dizemos coisas que podem magoar profundamente a outra pessoa, que mesmo que venha a nos perdoar futuramente, provavelmente ainda guardará alguma mágoa por aquele pequeno momento de desentendimento. Por isso ao invés de partir diretamente para uma briga é melhor usarmos o diálogo, através de uma boa conversa podemos nos entender bem melhor e evitar momentos de tensão que poderiam refletir pra sempre em nossas vidas. Sem falar que as brigas desgastam a relação de um casal até chegar a um ponto crítico, e isso reflete no dia-a-dia da família afetando os filhos e outras pessoas mais próximas tornando a vida amarga e cansativa. Como diz a música do Pato Fu: “As brigas que ganhei nem um troféu como lembrança pra casa eu levei, as brigas que perdi estas sim eu nunca esqueci”, dar início a uma briga não é a melhor saída, evitá-la é com certeza a melhor solução, vamos resolver tudo de um modo mais “civilizado” para que a paz possa reinar em nossas vidas. E se por acaso não pudermos evitar tenha a humildade de pedir desculpas, não deixe que uma vida inteira seja arruinada por causa de insignificantes problemas.

Se alguém quiser ouvir a música é da banda Pato Fu, o nome é ‘As Brigas que Perdi’ e muitas vezes aparece também com o nome ‘Perdendo Dentes’.

Publicado por: Viajante da Imensidao | outubro 4, 2008

Escrever é…

Para começar quero citar algumas frases de uma escritora que admiro muito.

“Enquanto eu tiver perguntas e não houver respostas…continuarei a escrever” (Clarice Lispector)

“Escrever é procurar entender, é procurar reproduzir o irreproduzível, é sentir até o último fim o sentimento que permaneceria apenas vago e sufocador. Escrever é também abençoar uma vida que não foi abençoada” (Clarice Lispector)

Já ouvi pessoas dizendo: pra que você escreve em um blog? O que você ganha com isso? Não seria melhor você dizer tudo o que escreveu a uma “pessoa real”?

Na vida existem diferentes pontos de vista, o que parece ser insignificante para umas pessoas, para outras é extremamente importante. Para mim, escrever é algo grandioso e compensador, é exprimir todo o meu sentimento, minhas idéias, meus sonhos e repassá-los para o papel (ou no caso do blog, para a tela do computador). Não seria a mesma coisa eu chegar e dizer tudo a uma pessoa, quando escrevo eu deixo isso registrado para que outras pessoas possam compartilhar das minhas experiências ou para que futuramente eu possa ler novamente e observar se avancei ou retrocedi em minha caminhada. Como diria Clarice Lispector, “é procurar reproduzir o irreproduzível”, é expressar de forma detalhada tudo o que estamos sentindo no momento, é trazer para dentro do texto a brisa suave de um vento, o perfume de uma flor, o canto de um pássaro ou o ruído de uma bela cachoeira, é transportar o leitor para dentro da história. Não faço da arte de escrever um vício ou uma obrigação, escrevo quando estou com vontade e deixo as palavras fluírem naturalmente, surgindo assim um poema, um conto, uma crítica, um agradecimento ou simplesmente um desabafo. No meu caso, me expresso muito melhor através da escrita e acredito que uma pessoa da muito mais ênfase em um assunto quando ele está escrito do que simplesmente falado.

Enfim escrever para mim é momento de reflexão e uma imensa paz, é viver o presente e olhar o passado para melhorar o futuro. É deixar registrado o que poderia ser apenas um pequeno “flash” de pensamento, é compartilhar desejos, sonhos e reflexões. Seja no papel ou digitalmente, escrever é registrar os passos de uma vida com os seus altos e baixos. E isso que para muitas pessoas não faz sentido algum, para mim considero algo imprescindível.

Mensagem de Vida e Amor

Publicado por: Viajante da Imensidao | setembro 13, 2008

Um Domingo com Keli

Keli acordou apressada e ainda muito sonolenta, ligou a tv e foi para o chuveiro. Somente quando estava no banho é que se lembrou que era domingo e não precisaria ir para o trabalho, se tivesse percebido um pouquinho antes não teria nem sequer levantado da cama. Mas como já estava no banho resolveu que iria a igreja, a muito tempo que não ia a igreja, talvez fosse até bom ela ter acordado logo cedo em pleno domingo. Vestiu aquele vestido que a muito tempo não saia do armário, mas que tinha ganhado de aniversário de sua querida irmã. Olhou no relógio era 06:50, ainda tinha um tempinho e passou na panificadora do Seu Joel pra comer alguma coisinha, pois o que ela nunca ficava sem é o seu precioso café da manhã. Chegou na igreja ainda faltava alguns minutos para o inicio do serviço religioso, entrou meio estranha, sentou-se e sentiu como se todo mundo tivesse olhando pra ela, logo percebeu que era pura impressão e relaxou. Começou o serviço e logo teve a apresentação de um coral que cantou uma música muito bonita, nesse momento Keli sentiu uma grande sensação de paz que lhe faltava devido a grande correria do seu dia-a-dia. Ao observar melhor as pessoas presentes ela reparou que Paula estava sentada num banco da frente, era sua grande amiga de infância e que agora mal se cumprimentavam, não por estarem brigadas, era mais por falta de atenção que uma amizade exige. E ela pensou o quanto as pessoas se tornam frias e solitárias em busca de sucesso profissional e uma boa condição financeira, ela mesmo se tornara dependente desse sistema, vivia mais voltada para o trabalho que qualquer outra coisa. La na frente o dirigente estava dando um sermão sobre amar as coisas simples da vida, deixar de observar somente o óbvio e atentar para todas as maravilhas que cercam o nosso cotidiano , não passar pela vida no “piloto automático”, viver a vida com mais muito mais força vontade. Certamente o “piloto automático” a estava guiando a muito tempo, sua vida havia se transformado em uma rotina interminável. Decidiu que hoje falaria mais que um simples ‘oi’ para a Paula, iria por em prática o sermão desde já. Mais algumas músicas a qual Keli cantou com muito louvor e o serviço chegou ao fim. Em meio de tantas pessoas, ela só fixava os olhos em Paula, não sairia sem a tentativa de uma reaproximação, passou por entre algumas pessoa e logo estava frente a frente com Paula.

– Oi, como você está? – perguntou Keli

– Oi, que surpresa você por aqui. Estou bem e você? – disse Paula


E dessa vez rolou até beijinhos, iniciativa da Keli é claro, e o comentário “que surpresa você por aqui” foi ótimo, também não precisava esculachar né, mas tudo bem.


– Estou bem. Pois é, quem é vivo sempre aparece.- falou Keli

– Verdade – respondeu Paula


A conversa já tava caminhando pro lado chato, começando a ficar sem assunto. Keli teve a idéia e ousadia de convidar Paula pra almoçar no seu pequeno apartamento.


– Paula vamos almoçar lá em casa e aproveitar pra colocar a conversa em dia? – convidou Keli


Paula hesitou um pouco, mas por fim cedeu.

– Vamos sim – respondeu Paula


Desceram as duas rumo ao antigo edifício, aproveitaram para passar na mercearia e comprar alguma coisa pra complementar o “banquete”. Prepararam o almoço juntas, conversaram muito e descobriram que ainda tinham muita coisa em comum, riram e brincaram como crianças, assistiram filmes e até trocaram novos segredinhos. Quando Paula se foi, Keli ficou pensando o quanto tinha sido maravilhoso o seu dia, foi a igreja e ainda conseguiu conquistar novamente a amizade de Paula, a qual tiveram uma tarde cheia de brincadeiras e alegria. Resumindo o seu domingo não poderia ser melhor, nesse momento agradeceu a Deus por te-la despertado tão cedo em pleno dia de folga e disse a si mesma “os caminhos de Deus em nossas vidas é maravilhoso”.


* Keli é um personagem criado por Viajante da Imensidão, ao longo desse blog será apresentado contos com ela passando por diferentes situações do dia-a-dia.

Older Posts »

Categorias